‘Rebaixamento reflete nossa avaliação institucional do Brasil’, diz executiva da S&P

'Rebaixamento reflete nossa avaliação institucional do Brasil', diz executiva da S&P

Foto: Alan Santos / PR

A diretora-executiva de ratings soberanos da S&P Global Ratings, Lisa Schineller, explicou nesta sexta-feira, 12, que o rebaixamento da nota de crédito do Brasil é reflexo da avaliação institucional que a agência de classificação de risco faz do país atualmente. Embora tenha reconhecido que a gestão do presidente Michel Temer apresentou alguns avanços, como a reforma trabalhista e as mudanças no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o governo fez “progresso lento” para adotar medidas estruturais na área fiscal. “Ocorreram constantes atrasos para a reforma da Previdência”, lembrou a diretora da S&P. Lisa também mencionou que a questão da regra de ouro foi tema de pressão em debates no campo fiscal e avaliou que existe uma incapacidade de atacar restrições no Orçamento da União. Como aspecto positivo, a diretora da agência citou o combate à corrupção no Brasil, o ganho de credibilidade do Banco Central (BC) com o mercado financeiro e os avanços no setor externo. Lisa também lembrou que a economia brasileira tem se estabilizado, mas que não espera uma recuperação em “V” nos próximos anos, ou seja, uma reação econômica tão rápida e intensa quanto foi a recessão nos últimos anos. Lisa considerou que há um desafio sobre como os candidatos à Presidência da República vão focalizar as reformas fiscais. “Há cenário de que pode haver pouca evolução de reformas fiscais após eleições”, disse a diretora, em teleconferência com jornalistas. “Vamos ver ao longo do tempo se próximo governo avançará em reformas estruturais”, acrescentou. Para Lisa, o Brasil deve apresentar, nos próximos anos, média de crescimento econômico menor que a de seus pares. “Componentes fiscais do Brasil são extremamente fracos”, pontuou. “Se houver melhora da área fiscal ao longo do tempo poderá se positivo para o Brasil”, afirmou. Uma eventual aprovação da reforma da Previdência Social no decorrer deste ano pelo Congresso não altera a expectativa da S&P Global Ratins para a evolução das condições fiscais do Brasil para este ano, comentou Lisa. “Persistentes atrasos da reforma mostram um padrão de progresso lento desta questão”, disse. Na avaliação de Lisa, “é difícil a evolução do cenário de reformas no Congresso, mesmo com empenho do governo Temer”. Ela também ressaltou que “será difícil” cumprir o teto de gastos pelo Poder Executivo nos próximos anos “sem mudanças estruturais fiscais”, entre elas a reforma da Previdência Social.

FacebookTwitterGoogle+Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.